Catedral Metropolitana lança livro comemorativo para celebrar seus 200 anos de criação

No último 22 de dezembro, a Catedral Metropolitana realizou a cerimônia de lançamento do livro “200+ da Matriz à Catedral de Uberaba”, em ocasião dos 200 anos da criação da Paróquia de Santo Antônio e de São Sebastião, primeiro título dado a Catedral. O evento contou com a presença dos cinco autores, Amanda Oliveira, Cida Manzan, Daniela Viana, Lucimira Reis e Matheus Medeiros, do idealizador do livro e pároco da Catedral, Monsenhor Valmir Ribeiro, além de autoridades municipais e religiosas, representando as instituições que apoiaram e financiaram o projeto, dentre eles, o Arcebispo Metropolitano Dom Paulo Mendes Peixoto, o prefeito Paulo Piau, a primeira-dama Heloísa Piau, e o vereador Rubério Santos. Os cantores Marília Bartolomeu e Henrique Botelho, e o organista Daniel Lopes abrilhantaram a cerimônia com belíssimas apresentações musicais.



Durante os anos de 2019 e 2020, uma equipe coordenada por Monsenhor Valmir Ribeiro, se empenhou para dar origem ao livro, alusivo à comemoração do jubileu dos 200 anos de criação da Paróquia de Santo Antônio e de São Sebastião, celebrado em 2 de março de 2020. Fruto de um extenso trabalho desenvolvido há mais de quatro anos, o livro conta com uma análise histórica, arquitetônica, social e religiosa que traz ao leitor uma compreensão do desenvolvimento simultâneo da sociedade uberabense e a sua religiosidade, os aspectos religiosos, pastorais e também um histórico dos padres, bispos e arcebispos que marcaram a história da Catedral.


Composto por 5 capítulos, o volume de 288 páginas é repleto de ilustrações que transportam o leitor para a conhecida Igreja Matriz e o leva a uma experiência transcendental, e de fotos que destacam a beleza arquitetônica e iconográfica da Paróquia. Alguns desses registros foram concedidos pelo Arquivo Público e pela Arquidiocese, outros foram clicados por quatro fotógrafos uberabenses: Antônio Luiz Ferreira, Ana Luísa Andrade, Ricardo Henrique de Paiva e Ruth Gobbo. A tiragem da primeira edição foi de 1.000 exemplares, e serão distribuídos para diversos locais públicos da cidade de Uberaba, tais como Escolas, Universidades, Bibliotecas, Arquivo Público, Paróquias e Casas Religiosas.


Confira um breve resumo da obra escrito por uma das autoras, Daniela Viana: “Mais que um edifício. O que se comemora vai além da data. Envolve mais que dados. A cidade tem na construção da igreja no alto do morro um começo matricial. A matriz é o lugar onde algo é gerado. Isso vale para a língua portuguesa e para a cidade também. As ruas que levam ao edifício recebem os nomes dos padroeiros originais. São Sebastião e Santo Antônio indicam o caminho geograficamente. São eles também que apontam referências para as crenças mais íntimas dos pioneiros dessa terra. A análise da arquitetura e da iconografia depende de reflexões sobre o povo que a produziu.


As escolhas estéticas de cada detalhe assinalam a cultura da região. A construção que viria a ser identificada como a Catedral é antes disso a matriz que origina e serve de fonte para a formação da cidade. Metropolitana que é, representa materialmente as origens do grupo civil, do núcleo inicial. Hoje tão expandida, a população urbana pode ter mudado suas percepções simbólicas e religiosas, mas mantém o contato com essa genitora. Sabe que ali está erguida a matriz há́ 200 anos. Os primeiros 200 anos de muitos mais.”


Ana Luísa Andrade da Cunha

Assessora de Imprensa da Arquidiocese de Uberaba

14 visualizações

Posts recentes

Ver tudo