Discernimento Vocacional

Atualizado: Jul 2

Ana era estéril. Temente a Deus, vai ela ao Santuário de Silo, para adorar o Altíssimo. Ali, ela derrama sua alma diante do Senhor e apresenta sua angústia. Desejava ela ter um filho. Caso fosse considerada digna dessa bênção, prometia oferecê-lo para o serviço de Deus. A bênção lhe é concedida e Deus a tira de sua esterilidade. O menino recebe o nome de Samuel, que significa “Deus ouve, Deus atende”. Ao ser desmamado, sua mãe Ana o entrega ao sacerdote Eli para ficar no Santuário a serviço do Senhor (cf. 1Sm 1,1-2,11).

Samuel crescera, já era um jovem. Numa noite, ele ouve o chamado do Senhor, mas não o compreende. Julga que era um chamado do sacerdote Eli e a ele se apresenta por duas vezes. O homem de Deus compreende que Samuel estava diante do chamado de Deus e o ajuda em seu discernimento vocacional. Esta foi a orientação vocacional que Eli dispôs a Samuel para ajudá-lo em seu discernimento: “Volta a deitar-te e, se alguém te chamar, responderás: ‘Fala, Senhor, teu servo escuta’” (1Sm 3,9). Assim, Eli ajudou Samuel a colocar-se na escuta de Deus. A partir desse encontro, Deus se tornou íntimo de Samuel, constituindo-o seu profeta.




Conhecemos a história de Samuel, o último dos Juízes do povo de Deus. Foi ele que ungiu o rei Saul (1Sm 10,1) e, mais tarde, o rei Davi (1Sm 16,13), fazendo a passagem do período dos juízes para a monarquia em Israel. Para que Samuel entendesse o chamado de Deus e se colocasse ao seu serviço, de modo assim tão especial, foi necessário a mediação de um homem experimentado nas coisas de Deus. O sacerdote Eli ajudou o jovem em seu discernimento vocacional para entender e acolher a Palavra do Senhor.

Deus se serve de circunstâncias e de pessoas para ajudar no discernimento vocacional daqueles e daquelas que são chamados para uma missão especial no meio de seu povo. É com profundo afeto e carinho que nos recordamos de pessoas queridas, colocadas por Deus em nosso caminho, que nos ajudaram em nosso discernimento: familiares, amigos, catequistas, religiosas, padres... Essas pessoas nos ajudaram a discernir o chamado de Deus em nossas vidas. Afinal, o chamado de Deus passa por mediações, circunstâncias e pessoas, que nos ajudam no processo de discernimento.


Toda a Igreja é responsável por ajudar no discernimento daqueles que se sentem chamados pelo Senhor. Isso se dá por meio de um incentivo, de uma acolhida, de uma palavra que ajude a clarear a vocação. Há agentes que são escolhidos especialmente para essa missão, chamados promotores vocacionais. Esses agentes são os “Elis” do tempo presente. Orientam e promovem o discernimento vocacional, ajudando as pessoas a acolherem o chamado de Deus em suas vidas. Em toda diocese, ordem, congregação, instituto e comunidades de vida se encontram pessoas designadas especialmente para essa missão: promover o discernimento vocacional.

Além de pessoas colocadas por Deus na vida dos vocacionados para ajudar em seu discernimento, há também circunstâncias especiais que ajudam os jovens a discernir seus caminhos. É a participação numa pastoral ou num ministério da Igreja. É a liderança em associações e organizações da comunidade. É a interação com realidades que clamam por solidariedade e ajuda. Essas mediações podem tornar-se instrumentos de Deus para transmitir e traduzir seu chamado.

Muito importante é a participação dos jovens em encontros vocacionais, preparados especialmente para acolher quem procura um discernimento vocacional. Tais encontros acolhem jovens que têm o desejo de clarear o horizonte de suas vocações. Falamos aqui não somente de vocações religiosas ou sacerdotais. Esses encontros abordam a vocação em seu sentido mais amplo, procurando ajudar as pessoas a encontrarem seus lugares na vida da Igreja e na sociedade. A Igreja procura ajudar as pessoas a discernirem suas vocações para melhor servir os irmãos, seja através de profissões diferenciadas, seja através de vocações religiosas e sacerdotais. O importante é que as pessoas procurem servir com alegria e realização pessoal.


Os jovens que optam por aprofundar a vocação para a vida sacerdotal, ingressam no Curso Propedêutico. Trata-se de uma etapa de continuidade do discernimento vocacional, de aprimoramento de seus conhecimentos humanos e de aprofundamento da vida espiritual para que, oportunamente, ingressem no Seminário e passem pelas etapas do discipulado (filosofia) e configuração a Jesus Cristo (teologia), preparando-se para uma possível ordenação presbiteral. Não somente o período que antecede a entrada no Seminário ou no Curso Propedêutico se caracteriza como tempo do discernimento vocacional. Em todo o processo da formação inicial, o candidato continua sempre discernindo o chamado do Senhor em sua vida.

Assim como o sacerdote Eli ajudou Ana a encontrar graça aos olhos de Deus, para receber a bênção da fecundidade, e o jovem Samuel, em seu processo de discernimento vocacional, a Igreja necessita de mediadores que ajudem nossos jovens a discernirem o chamado do Senhor, colocando-se a serviço do povo de Deus. Instruir os vocacionados é uma grande graça. Com palavras e testemunho, vamos apontando os caminhos do Senhor para aqueles que desejam servir a Deus de forma mais intensa. Tornamo-nos mediadores de um chamado que não é nosso, acreditando que Deus tem um projeto muito lindo para aqueles que o amam e se dispõem para seu seguimento.


Padre Geraldo Maia


39 visualizações