Mundo fechado

Existem hoje algumas sombras ou tendências que dificultam o trabalho da fraternidade universal. No passado, não muito distante, houve esforços de unidade entre os países, mas agora os sinais são de regressão. Observa-se o surgimento de novos conflitos que pareciam estar apagados e o surgimento de nacionalismos fechados e agressivos. Ideologias egoístas com marcas de interesses nacionais.


O mundo convive com conflitos locais e desinteresse pelo bem comum, instrumentalizados pela economia globalizada tentando impor um modelo cultural único. Não existem mais as distâncias, portanto somos todos vizinhos, mas não irmãos. É a cultura que privilegia os interesses individuais e fragiliza a dimensão comunitária da existência. O povo não deixa de ser consumidor e espectador.


O que aparece é a identidade dos mais fortes explorando pessoas e regiões fragilizadas e pobres. A globalização desvaloriza o passado, as riquezas da história e cria uma geração desenraizada, vazia, desconfiada e sem opções. São as novas formas de colonização da cultura, dissolvendo a consciência histórica e fragilizando o sentido das palavras democracia, liberdade, justiça e unidade.


No dizer do Papa Francisco, o sistema econômico mundial semeia desânimo, desconfiança para defender alguns de seus valores, suas estratégias de ridicularização, leva ao empobrecimento da sociedade e à prepotência de quem é mais forte. Sem a prática do bem comum, uns poucos acabam destruindo a maioria. É jogo de interesses onde vencer se torna sinônimo de destruir.


Cuidar do mundo é cuidar de nós mesmos, porque a casa é comum para todos. Mas esse cuidado não traz vantagens econômicas imediatas. Quem faz esse caminho é ridicularizado pelos afortunados, acumuladores e têm interesses particulares. O não cuidar da natureza leva ao esgotamento de recursos, à insensibilidade diante do desperdício e a criação de um cenário favorável para novas guerras.


Hoje as pessoas não são mais vistas como valor primário, às vezes até como objetos de descarte, como acontece com muitos idosos colocados em instituições, ficando abandonados pelas suas famílias. Os avanços da sociedade moderna não asseguram liberdade para as pessoas. O racismo está sempre reaparecendo como expressão de desigualdade social que já deveria ter sido superado.


Dom Paulo Mendes Peixoto

Arcebispo de Uberaba

Contato

Praça Dom Eduardo, 56 - Bairro Mercês - Uberaba - MG

(34) 3312-9565

Redes Sociais

Facebook

Instagram

Twitter​

Youtube

Inscreva-se

INFORMAÇÕES

Praça Dom Eduardo, nº 56 - Mercês
Uberaba-MG - CEP: 38060-280
Tel: (34) 3312-9565

  • Secretaria / Chancelaria Ramal 1

  • Financeiro Ramal 2

  • Patrimônio Ramal 3

  • Tribunal Eclesiástico Ramal 4

  • Secretaria de Pastoral Ramal 5

curia.arquidiocesedeuberaba@gmail.com

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ARQUIDIOCESE DE UBERABA

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

  • Segunda a Sexta: 8h às 12h e 14h às 17h.

TVs Católicas

Produzido pela pascom arquidiocesana

© 2019 by Arquidiocese de Uberaba

Pública na Rede

Minas Gerais - Brasil

  • Facebook da Arquidiocese de Uberaba
  • Instagram da Arquidiocese de Uberaba
  • Twitter da Arquidiocese de Uberaba
  • Youtube da Arquidiocese de Uberaba
  • Spotify ícone social