Papa na intenção de oração de julho: rezar pelos que administram a justiça
Contato

Praça Dom Eduardo, 56 - Bairro Mercês - Uberaba - MG

(34) 3312-9565

Redes Sociais
Inscreva-se
Identidade visual para fundo escuro.png

INFORMAÇÕES

Praça Dom Eduardo, nº 56 - Mercês
Uberaba-MG - CEP: 38060-280
Tel: (34) 3312-9565

  • Secretaria / Chancelaria Ramal 1

  • Financeiro Ramal 2

  • Patrimônio Ramal 3

  • Tribunal Eclesiástico Ramal 4

  • Secretaria de Pastoral Ramal 5

curia.arquidiocesedeuberaba@gmail.com

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ARQUIDIOCESE DE UBERABA

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

  • Segunda a Sexta: 8h às 12h e 14h às 17h.

TVs Católicas

Rede_Vida_logo.png
cnbb-branca-260x80-2.png
vatican-news-header-white.png

Produzido pela pascom arquidiocesena

© 2019 by Arquidiocese de Uberaba

Pública na Rede

Papa na intenção de oração de julho: rezar pelos que administram a justiça

O Pontífice nos pede para rezar pelos magistrados, juízes e advogados que administram a justiça em todo o mundo, a fim de que possam trabalhar com integridade e respeitar a dignidade humana.


Cidade do Vaticano

Foi divulgada, nesta quinta-feira (04/07), a videomensagem do Papa Francisco com a intenção de oração para o mês de julho.

O Pontífice nos pede para rezar pelos magistrados, juízes e advogados que administram a justiça em todo o mundo, a fim de que possam trabalhar com integridade e respeitar a dignidade humana, sem interesses pessoais egoístas ou agendas ocultas, num contexto de transparência e imparcialidade.

“Dos juízes dependem decisões que influenciam os direitos e os bens das pessoas. Sua independência deve ajudá-los a serem isentos de favoritismos e de pressões que possam contaminar as decisões que devem tomar”, ressalta o Papa na mensagem de vídeo.



Ouça a reportagem:

https://arquidiocesedeuberaba.org.br/wp-content/uploads/Vide-Papa-julho.mp3

Segundo Francisco, “os juízes devem seguir o exemplo de Jesus, que nunca negocia a verdade”.

“Rezemos para que todos aqueles que administram a justiça trabalhem com integridade e para que a injustiça que atravessa o mundo não tenha a última palavra”, exorta o Papa.

A integridade da justiça é uma das vítimas da corrupção

O fenômeno maligno da corrupção da justiça é um obstáculo para as pessoas e nações que vivem juntas em paz e prosperidade. Isso cria rachaduras no tecido social.

De acordo com a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, a integridade da justiça é uma das vítimas mais significativas do flagelo da corrupção. Além disso, a corrupção da justiça afeta fortemente os mais pobres, pois fomenta a desigualdade.

Quando o meio social é afetado pela pobreza, fome e sofrimento, aqueles cuja profissão é defender e garantir a justiça tornam-se indispensáveis, trabalhando para impedir que essas condições criem o que o Papa Francisco chamou de “terreno fértil para a ilegalidade”. Só o valor fundamental da justiça pode garantir o funcionamento correto da vida pública.

Para o Santo Padre, a justiça não pode ser apenas um “traje extra” ou um disfarce que só usamos para ir às festas. É por isso que ele nos pede para rezar especialmente, neste mês de julho, para que os responsáveis por transmitir a justiça realizem seu trabalho com integridade.

Assista o vídeo:


Fonte: Vatican News