Preparação para Eleições 2020

Atualizado: 11 de Nov de 2020


Na edição passada, abordamos em linhas gerais a Cartilha de ORIENTAÇÃO POLÍTICA, produzida e distribuída pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), especialmente para as eleições municipais de 2020, objetivando subsidiar a formação de uma sadia consciência política, segundo o olhar da Igreja Católica, que não se identifica com nenhuma ideologia ou partido político.


Nesta edição, destacamos alguns pontos para maior reflexão.


Inicialmente, sobre o pedido do Papa Francisco (2014) “a todos que têm responsabilidade política que não se esqueçam de duas coisas: a dignidade humana e o bem comum”, não podemos restringir sua abrangência apenas aos chamados “políticos” – tais como presidente da república, senadores, deputados, governadores, prefeitos, vereadores. Todos nós, cidadãos, temos um certo grau de responsabilidade política, quer gostemos ou não, quer assumamos ou não.


E sobre isso é bom recordar um trecho de uma das fórmulas do Ato Penitencial, às vezes rezada na Santa Missa: “Confesso a Deus todo-poderoso [...] que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, atos e omissões”. Como cidadãos e como católicos, não podemos ser omissos diante da realidade que fere a dignidade humana e usurpa o bem comum.

Você pode questionar: “Qual é minha responsabilidade? O que eu posso fazer?”.

Certamente há muitas coisas que você pode fazer. Entretanto, para não perder o foco deste texto, pode começar preparando-se para votar bem, com consciência.


Pergunte a você mesmo: este candidato tem propostas concretas? Elas são realmente boas para o bem comum? Podem ser realizadas ou são promessas que não podem ser cumpridas? Se ele concorre à reeleição: o que ele fez no atual mandato? Cumpriu suas promessas?


Para bem avaliar as propostas de um candidato, é importante considerar não apenas O QUE FAZER, mas COMO FAZER. Sobre isso, gosto de usar a imagem de uma balança, daquelas antigas, com dois pratos: de um lado, coloca-se aquilo que se deseja obter; de outro, o peso, ou seja, o quanto aquilo vai custar. Muitas vezes olhamos apenas para o que queremos e até precisamos, sem considerar como será pago. E isso é ainda mais comum quando se trata de um bem ou serviço público que muitos dizem que é “de graça”. Ledo engano! A construção de hospitais, os salários de médicos e demais profissionais da saúde, a aquisição de medicamentos e outros suprimentos; e nas áreas da educação, segurança, meio ambiente... Quem paga isso? É você mesmo, só que talvez você nem perceba porque isso é custeado pelos impostos e taxas que você paga, e muitas vezes também sem perceber, pois vêm embutido no preço dos produtos e serviços que você paga diretamente ao vendedor/prestador. Voltando à imagem da balança: quando você vai ao “postinho” pra tomar uma vacina “de graça”, em um “prato” está não apenas a dose da vacina, mas a seringa e a agulha, o salário do profissional que aplica e daquele que fica lá na entrada organizando a fila, a energia que ilumina a sala de aplicação e que também mantém ligada a geladeira onde a vacina é conservada... Está bom pra você ou precisa continuar? E no outro “prato” está o peso dos tributos que saem de seu bolso, mais cedo ou mais tarde.


Assim, voltamos à questão do “como fazer”, sem sacrificar ainda mais a população com aumento da carga tributária. Nesse aspecto, importa outra mensagem do Papa Francisco, citada na Cartilha, sobre a corrupção: “Esta praga apodrecida da sociedade é um pecado grave que brada aos céus porque mina as próprias bases da vida pessoal e social”. Combater e evitar a corrupção pode resultar em mais doses de vacina sem que se gaste mais para isso. A corrupção acontece quando o político coloca seus interesses pessoais acima do bem comum.


Daí você pode se fazer outra pergunta: esse candidato tem “ficha limpa”?


Na verdade, não é só o político que se corrompe. Quem “vende” seu voto por um (ou muitos) saco(s) de cimento ou algo assim também está de certa forma corrompendo o processo democrático, tanto que o Código Eleitoral prevê pena de até quatro anos para o crime de compra de voto, aplicável tanto para o político que oferece como para o eleitor que recebe alguma vantagem em troca de seu voto. Sim, o “ganho” hoje pode custar caro amanhã.


Em tempos de Internet, hashtag, like e outros termos que se incorporaram ao “dicionário” de nossa língua, o que mais preocupa são as Fake News que, traduzindo do inglês, significa notícias falsas. Todavia, na realidade do processo eleitoral, essas “notícias” assumem uma dimensão extremamente danosa por sua capacidade de conseguir o apoio de pessoas tão inocentes quanto desatentas em sua divulgação, o que multiplica absurdamente seu poder de destruição, além de inverter o chamado “ônus da prova”, ou seja: a pessoa acusada passa a ter que provar sua inocência. É lamentável perceber como as pessoas repassam toda e qualquer sorte de mensagem que recebem. Até parece uma competição para ver quem posta mais notícias. E aí o critério é nulo, não há qualquer preocupação com a verdade, o que importa é “compartilhar” – este é o verbo (com letras bem minúsculas). Vale a pena dar atenção especial a esse item da Cartilha da CNBB.


Nas eleições de 2020, vamos escolher os membros dos poderes Executivo e Legislativo, no nível municipal, ou seja, o Prefeito e os Vereadores de cada município, respectivamente. Cabe ao Prefeito administrar e aos Vereadores, reunidos na Câmara dos Vereadores, elaborar as leis, tudo no âmbito de suas atribuições definidas na Constituição Federal e estabelecidas nas respectivas Constituição Estadual e Lei Orgânica do Município.

Pense bem! Vote melhor ainda!


Luiz Villela

27 visualizações
Contato

Praça Dom Eduardo, 56 - Bairro Mercês - Uberaba - MG

(34) 3312-9565

Redes Sociais

Facebook

Instagram

Twitter​

Youtube

Inscreva-se

INFORMAÇÕES

Praça Dom Eduardo, nº 56 - Mercês
Uberaba-MG - CEP: 38060-280
Tel: (34) 3312-9565

  • Secretaria / Chancelaria Ramal 1

  • Financeiro Ramal 2

  • Patrimônio Ramal 3

  • Tribunal Eclesiástico Ramal 4

  • Secretaria de Pastoral Ramal 5

curia.arquidiocesedeuberaba@gmail.com

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ARQUIDIOCESE DE UBERABA

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

  • Segunda a Sexta: 8h às 12h e 14h às 17h.

COMISSÃO ARQUIDIOCESANA PARA A PROTEÇÃO DE MENORES E DE PESSOAS VULNERÁVEIS - CAPMPV

TVs Católicas

Produzido pela pascom arquidiocesana

© 2019 by Arquidiocese de Uberaba

Pública na Rede

Minas Gerais - Brasil

  • Facebook da Arquidiocese de Uberaba
  • Instagram da Arquidiocese de Uberaba
  • Twitter da Arquidiocese de Uberaba
  • Youtube da Arquidiocese de Uberaba
  • Spotify ícone social