Um pouco de acalento e esperança...

Atualizado: Abr 5


Momento da visita do Santíssimo Sacramento aos Hospitais de COVID-19


Nos últimos tempos a conversa de muitos com Deus tem sido um choro doído, pois, com o coração tão ferido, não conseguem rezar de outro jeito. Diante disso, no dia 19 de março, muitas pessoas se uniram, de um jeito possível, num único propósito: rezar por aqueles que estão doentes e rezar em nome dos que não estão conseguindo rezar – 24 HORAS PARA O SENHOR!




A iniciativa surgiu de um grupo de leigos e leigas que compõem o grupo da Divina Misericórdia da Paróquia de Santíssimo Sacramento (Igreja da Adoração) coordenados pela Luciene Barsan e pela Rosana Assato. As 24 HORAS PARA O SENHOR arrebanharam pessoas de longe e de perto que a cada 30 minutos rezaram o TERÇO DA DIVINA MISERICÓRDIA e a oração arquidiocesana pelo fim da pandemia.



O encerramento de tal iniciativa foi surpreendente: várias pessoas, de suas casas, rezando, ao mesmo tempo, o TERÇO DA DIVINA MISERICÓRDIA, enquanto Jesus Eucarístico visitava os pacientes com a COVID-19. Em Uberaba, do lado de fora do Hospital São Domingos, do Hospital Universitário Mário Palmério e do Hospital Regional, alguns padres rezavam, com os leigos presentes o terço e os padres Alex, Fábio e Fabiano entraram com o Santíssimo nas UTIs e Enfermarias da COVID-19. Houve até transmissão da visita do Santíssimo do lado de dentro dos Hospitais.





A cidade de Nova Ponte, por meio do Padre Rone, também aderiu a essa iniciativa. O Hospital Municipal de Nova Ponte foi alcançado com muitas orações, cantos, oferta de flores e a visita do Santíssimo.


O resultado de tudo o que aconteceu em torno das 24 HORAS PARA O SENHOR foi o conforto, a esperança e o abraço uns aos outros por meio da oração, já que não podemos, ainda, abraçar fisicamente. Quando ganhamos um abraço forte, tudo o que está quebrado dentro da gente se junta de novo e tal iniciativa conseguiu, de um jeito simples, abraçar quem estava precisando.



Termino como comecei:

Nos últimos tempos a conversa de muitos com Deus tem sido um choro doído, pois, com o coração tão ferido, não conseguem rezar de outro jeito. Diante disso, que mais iniciativas como essa aconteçam para o nosso fortalecimento na esperança e no conforto necessário.


Padre Fabiano Roberto

46 visualizações