Um povo pode viver sem lei

Atualizado: Ago 14

As Escrituras, na sua sábia descrição da criação do homem, colocam nos lábios do Pai Eterno, uma lista de coisas que o casal humano pode fazer e usar legitimamente. É uma lista longa. Mas também estabelece algumas proibições. É um verdadeiro código de ética, simplificado. “Não comereis da fruta da árvore da vida” (Gen 2, 17). Mas os nossos primeiros pais não resistiram à propaganda enganosa do espírito do mal. A experiência eventual de conhecer o bem e o mal, e de serem poderosos como o Criador, apareceu como uma tentação irrefreável. Mais. Parecia que Deus tinha o desejo secreto de não permitir seu pleno desenvolvimento. Daí sentiram a necessidade de “assassinar o pai”, definitivo símbolo da ordem e arquétipo  do bem comum. A paternidade respeitada tornar-se-ia a garantia da paz social, da liberdade e do progresso. A independência das ordens  eternas foi um monumental erro. A desobediência lhes apareceu como um gesto de esperteza. Daí  a partir para as rebeldias é um passo só. Ser contra o pai é uma involução. É tornar-se adepto da anarquia, sinônimo de falsa liberdade. O imperativo categórico  do bem comum foi interpretado como inibição da realização. Embora as Escrituras digam: “fazei o bem e evitai o mal” (Is 7, 15), acha-se  isso uma lei não obrigatória.


Os anarquistas tupiniquins realizam atos reprováveis. Antes guardam bem seus carros em estacionamentos, e depois vão quebrar as agências de automóveis; fazem seguro dos seus bens, e assaltam caminhões carregados de mercadorias; provocam os soldados da ordem pública, e acusam a reação dos homens da lei como selvageria. Ao quebrarem e destruírem os bens de todos, esquecem o princípio de ouro da convivência humana: “Não faças aos outros o que não queres que te façam”. Esse quadro vai mudar? Acho difícil. No Brasil não há mais ensino religioso nas escolas; os delinquentes não tem respeito pelo pai; não há punição exemplar dos delitos contra a sociedade; o nosso regime político  favorece a luta de classes quando propõe esquemas bolivarianos;  ninguém desses malfeitores freqüenta as comunidades religiosas para aprender a sabedoria divina. Assim mesmo, digo-lhes de coração, o que disse o Concílio Vaticano II: “Todos cultivem com grandeza de alma o amor à pátria” (GS 75).


Dom Aloísio Roque Oppermann scj

Arcebispo Emérito de Uberaba, MG

Contato

Praça Dom Eduardo, 56 - Bairro Mercês - Uberaba - MG

(34) 3312-9565

Redes Sociais

Facebook

Instagram

Twitter​

Youtube

Inscreva-se

INFORMAÇÕES

Praça Dom Eduardo, nº 56 - Mercês
Uberaba-MG - CEP: 38060-280
Tel: (34) 3312-9565

  • Secretaria / Chancelaria Ramal 1

  • Financeiro Ramal 2

  • Patrimônio Ramal 3

  • Tribunal Eclesiástico Ramal 4

  • Secretaria de Pastoral Ramal 5

curia.arquidiocesedeuberaba@gmail.com

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ARQUIDIOCESE DE UBERABA

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

  • Segunda a Sexta: 8h às 12h e 14h às 17h.

TVs Católicas

Produzido pela pascom arquidiocesana

© 2019 by Arquidiocese de Uberaba

Pública na Rede

Minas Gerais - Brasil

  • Facebook da Arquidiocese de Uberaba
  • Twitter da Arquidiocese de Uberaba
  • Instagram da Arquidiocese de Uberaba
  • Youtube da Arquidiocese de Uberaba