Unidos na privação e na esperança

Atualizado: Jun 9

Após assistir a alguns vídeos de jovens suplicando aos bispos que lhes “devolvam” a missa e mesmo de muitos fiéis que se manifestam nas redes sociais dizendo como sentem falta de participar da missa, me senti motivado a refletir sobre a decisão de nossos bispos de suspenderem a celebração comunitária da missa.

Dentre aqueles que defendem que voltemos a celebrar as missas comunitárias, poderíamos encontrar o seguinte argumento: “todos estariam protegidos (com máscaras e álcool), impediríamos de participar os que estão no grupo de risco (idosos, diabéticos, cardíacos etc.) e poderíamos até guardar alguma distância uns dos outros”. Outros, aparentemente mais criativos e prudentes quanto à ameaça do COVID-19, poderiam ainda propor: “façamos um drive-thru eucarístico no qual os fiéis receberiam a comunhão de dentro de seus carros”.




Inspirado por uma mensagem recentemente veiculada pelo bispo de Divinópolis, Dom José Carlos de Souza Campos, me faço o seguinte questionamento: Vale passar na igreja de carro ou a pé e pegar ‘seu pedaço’ de Eucaristia e ir embora, sem celebração, sem assembleia litúrgica, sem saborear a vida comunitária celebrante? Ainda: Vale promover uma “eugenia espiritual” na qual dizemos quem são aqueles que podem participar da missa comunitária e quais não podem? Parece-me ser mais justo e bíblico seguirmos precisamente a orientação de nossos bispos: sigamos unidos todos na mesma privação, na mesma tristeza, mas na mesma esperança. “Viviam unidos e tinham tudo em comum” (At 2,46).

Este tempo de isolamento forçado pode ser convertido em tempo de amadurecimento na fé. Por que não redescobrimos o sentido da Igreja como “Corpo Místico de Cristo” (1Cor 12,12-14)? Ainda seguindo a reflexão de Dom José Carlos, ele nos diz: “Todos estamos interligados e unidos a Ele, nossa Cabeça e Princípio. Se uns comungam, o Corpo todo se alimenta. Somos um Corpo e não simplesmente sujeitos crentes individuais, com a necessidade de cada um ter de se alimentar para alimentar, só desta forma, o Corpo inteiro. A santidade de um santifica o Corpo; o pecado de um mancha o Corpo; a comunhão sacramental de um alimenta o Corpo”.


Por que não reaprendemos a ser igreja doméstica? Muitos bons subsídios surgiram nesse tempo extraordinário para nos ajudar nesse sentido. Eis alguns bons exemplos: a Paróquia São Mateus (Uberaba) criou uma iniciativa denominada “De esperança em esperança” que promove a liturgia nas casas; a CNBB tem fornecido roteiros para celebrações domésticas entre a família; o Papa Francisco nos pede que especialmente nesse mês de maio rezemos diariamente o santo terço em nossas casas.

Em tempos de jejum da Eucaristia – presença real e substancial de Jesus Cristo – possamos nos deixar eucaristizar na “comunhão espiritual” que nos chega, pois fazemos parte de um único Corpo; possamos aprender a encontrar também Jesus – real – em sua Palavra e uns nos outros, sobretudo aqueles de nossas famílias. Unidos na privação, nos façamos unidos também na esperança.


Sem. Vitor Lacerda

Contato

Praça Dom Eduardo, 56 - Bairro Mercês - Uberaba - MG

(34) 3312-9565

Redes Sociais

Facebook

Instagram

Twitter​

Youtube

Inscreva-se

INFORMAÇÕES

Praça Dom Eduardo, nº 56 - Mercês
Uberaba-MG - CEP: 38060-280
Tel: (34) 3312-9565

  • Secretaria / Chancelaria Ramal 1

  • Financeiro Ramal 2

  • Patrimônio Ramal 3

  • Tribunal Eclesiástico Ramal 4

  • Secretaria de Pastoral Ramal 5

curia.arquidiocesedeuberaba@gmail.com

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ARQUIDIOCESE DE UBERABA

HORÁRIOS DE ATENDIMENTO

  • Segunda a Sexta: 8h às 12h e 14h às 17h.

TVs Católicas

Produzido pela pascom arquidiocesana

© 2019 by Arquidiocese de Uberaba

Pública na Rede

Minas Gerais - Brasil

  • Facebook da Arquidiocese de Uberaba
  • Twitter da Arquidiocese de Uberaba
  • Instagram da Arquidiocese de Uberaba
  • Youtube da Arquidiocese de Uberaba