“Viu, sentiu compaixão e CUIDOU DELE”!

Atualizado: 9 de Jun de 2020

Este é o lema da Campanha da Fraternidade deste ano, aqui grifando a frase “CUIDOU DELE”, que expressa a dimensão do agir – após ver e julgar (sentir compaixão) – detalhada na terceira parte do Texto-Base, que desenvolve o tema “Fraternidade e Vida: dom e compromisso”. É sobre esse cuidado com o próximo que queremos conversar com você.

Provavelmente você já sabe que esse lema foi extraído da parábola do bom samaritano (Lc 10, 25-37), que Jesus contou ao doutor da lei, que questionara o que deveria fazer para herdar a vida eterna. Através dessa parábola, Jesus propõe uma nova perspectiva sobre o cumprimento do maior mandamento da Lei, quanto ao amor ao próximo que pode ser um desconhecido, como na parábola.



O Bom Samaritano é Jesus, que nos ensina a ter compaixão por aqueles que sofrem e, mais que isso, cuidar deles. Para que a proposta de Jesus não pareça algo distante de nossa realidade, recebemos o exemplo da Irmã Dulce, hoje em dia reconhecida como Santa Dulce dos Pobres. Nascida no ano de 1914, aos 13 anos de idade já acolhia mendigos e doentes em sua casa em Salvador e, mesmo depois de sua profissão religiosa, continuou junto dos excluídos, até instalar-se no galinheiro do Convento Santo Antônio, que se tornaria um dos maiores hospitais públicos do Brasil.


Mas se você acha que a vida de Santa Dulce ainda é distante de nossa realidade, temos uma surpresa para você. Ou melhor, duas surpresas, duas histórias reais, vividas aqui mesmo em Uberaba, cujos protagonistas são o Diácono Renato Afonso Vinhal e a educadora e socióloga Marta de Oliveira. E essas são “apenas” duas experiências que selecionamos para você, pois sabemos que há outras que se somam a estas que nos ensinam como viver a Palavra de Deus.


Da Redação

53 visualizações